sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Sobre o primeiro capítulo - Bastian

Boa tarde,

Desculpem a inexperiência se eu posto "spoilers" entre outras falhas, mas aos poucos vou corrigindo como o link de venda do livro.

"- Estou velho né? - Para novamente. Bastian admira o Vencedor mais uma vez para ganhar coragem ao se voltar a Adam. - Tenho que te dizer uma coisa: eu não vou me renovar. Pretendo morrer na Terra.
A frase de Bastian é do tipo que faz com que o tempo se alongue por uns segundos até que a mente do ouvinte entenda a forma de continuar. Um tipo que as primeiras e mais óbvias formas de argumentar já foram exauridas por quem fala. Ou ao menos Adam sabe isso de seu amigo. Não é sobre o risco de falha na técnica de renovação em lhe prolongar a vida. Não, ele decidiu morrer.
- Para quem estava preocupado com a iluminação de uma vida, parece que você arranjou a solução. - Adam tenta rir melancolicamente com o seu incomum uso do humor. Bastian ri genuinamente.
- Teremos bastante tempo ainda para mais partidas repetidas. - Olha seu amigo que levanta seu o rei. - A medicina vai me manter por aqui por muito tempo ainda.
- Hehe. - Adam toca na peça, prepara o ataque, respira fundo e fala. - Não há o que eu possa dizer né?"

Bastin era o nome de dois amigos meus na Alemanha que, apesar de não ter mantido contato, ainda lembro de uma forma feliz. Ainda haviam dois Sebastians que era bem legais que eram apelidados de "Bastian". Apesar de haver outros caras muito legais "Bastian" pareceu uma grande homenagem.
Mas em tempo de personalidade em nada bate este personagem com meus amigos. Eles eram todos alegres e Alemães. Bastian do livro é uma figura desafiadora e melancólica, que transmite sua depressão. Eu cheguei a descrever sua casa e seus trabalhos e como Adam caçou cada detalhe deles para entender o destino de seu amigo. Na época parecia necessário demonstrar o quão nova era a sensação da perda e a perspectiva de alguém que não morreria frente a morte. Reincarnar o medo da morte. Mas as necessidades práticas me fizeram cortar esta parte.
Diga-se de passagem eu havia descrito também a casa de Adam, carros e outros aspectos de sua vida como seu local de trabalho, as ruas, um repórter "enxerido", o concelho do controle da Terra e todo um treinamento de Adam para introduzir o problema, exaustivamente técnico, e como lidar com as intempéries do espaço.
Mas devo ter cortado umas 30 páginas com um simples "só você pode nos ajudar". Clichés existem por um motivo.
Mas por fim este é o capítulo que é o cerne do livro, todo o debate de possibilidades é realizado ao longo do livro (Doh... talvez tenha falado demais). E ainda achei muito elegante esse personagem tão importante só aparecer nesta cena. Essa é daquelas coisas que não foram programadas, mas que quando se apresentam parecem muito boas.
Acho que os leitores que eu conquistar vou conquistar justamente nesse capítulo justamente pelo instinto de negar qualquer futuro negativo à frente. Por isso mesmo que quando percebi isso mudei o título para Bastian, e já não me lembro do outro, e o mantive curto.
E por isso mesmo pareceu uma ótima divisão da introdução nomear os próximos capítulos com os nomes dos íntimos de Adam....

Nenhum comentário:

Postar um comentário